sábado, 25 de dezembro de 2010

Bruna Karla - Sou humano...wmv

Feliz Natal 2010

Queridos amigos, bom dia.

Desejo a todos Feliz Natal.

Bjs.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Mulher Sexo Forte

Mulher Sexo Forte

Em matéria de sexo, mulheres não têm nada de frágil. Com uma sexualidade que começa antes mesmo da adolescência e termina só bem depois da menopausa, passando pela gravidez e até pelas alterações dos ciclos menstruais, elas encaram diferentes fases ao longo da vida, bem diferente dos homens, que não sofrem com alterações hormonais e tantas mudanças físicas. Mas isso não é tudo.
Fatores como relacionamento com o parceiro e aspectos psicossociais também são definitivos na disposição sexual da mulher.

A ginecologista e obstetra Cláudia Navarro enfatiza que os hormônios e suas flutuações são apenas um dos fatores que pesam na
sexualidade feminina. "O que tem de ficar claro é que a resposta sexual da mulher é caracterizada por vários fatores determinantes. Hormônios são apenas um deles. Aspectos psicossociais, contextuais e de relacionamento com o parceiro são alguns dos outros", reforça a médica, que diz não haver uma divisão clara entre diferentes etapas da vida sexual da mulher.

Nas questões de relacionamento com o parceiro, por exemplo, a mulher tem um padrão muito diferente em relação aos homens. Para eles, por exemplo, não é tão importante ter envolvimento emocional para se chegar a um bom desempenho sexual. "Para elas, essas questões são encaradas de maneira muito diferente. O desempenho e a resposta sexual são diferentes. Não se pode se ater só ao aspecto hormonal para avaliar a resposta sexual da mulher e nem para tratar uma possível disfunção sexual da mulher", destaca a Dra. Cláudia.

Mas os homens têm sua função nas alterações da tal resposta sexual da mulher. Na adolescência, por exemplo, começa a haver um desenvolvimento hormonal, caracterizado pelo aumento na produção de estrogênio (principal hormônio relacionado à sexualidade da mulher), tornando a
sexualidade mais aflorada nas jovens. "Além da alteração hormonal, as alterações sociais, como o maior envolvimento com os meninos, também contribuem para esse afloramento", pontua a especialista.

Na fase adulta, os hormônios seguem ciclos mensais, que não têm influência significativa na sexualidade. Ao contrário, porém, da montanha-russa hormonal durante a
gravidez. A progesterona, por exemplo, é mais presente e tem a característica de diminuir a libido. Em paralelo, a condição psicológica também altera a disposição sexual: seguindo um modelo cultural antigo, as pessoas agem como se sexualidade e maternidade não combinassem – o que, para a Dra. Cláudia, é um mito.

Associado a este cenário está a dificuldade física que o aumento da barriga e as outras alterações no corpo da mulher impõem. Logo depois do parto, os níveis hormonais também inibem a libido e outros fatores físicos passam a influenciar: ressecamento vaginal e os pontos ainda em recuperação (quando a mulher teve parto normal) são alguns deles.

Menopausa

A outra fase da vida que é sinônimo de adaptações na vida sexual – talvez a etapa com maior número delas – é a
menopausa, quando o estrogênio começa a diminuir e outros fatores passam a modificar o cotidiano da mulher. Não faltam motivações fisiológicas ou psicológicas para influenciar a sexualidade feminina.

No primeiro caso, a libido menor em função do estrogênio minguado e o ressecamento vaginal que causa dor durante o ato sexual levam a um número menor de relações. No segundo caso, os exemplos são mais complexos. "As mulheres veem que estão ficando mais velhas e acham que atração sexual está ligada à beleza. Isso pode servir como bloqueio, diminui a autoestima e dificulta relações", explica a ginecologista.

Para a Dra. Cláudia, é um erro acreditar na visão perpetuada culturalmente de que mulheres a partir de uma certa idade têm de ocupar o papel de mãe ou avó, o que não combina com sexualidade. Soma-se a essa noção o fato de o próprio parceiro apresentar diminuição na sua performance sexual, reduzindo o número de relações. "O que não quer dizer que vai piorar a qualidade do ato sexual. Mulheres no climatério são capazes de ter uma boa vida sexual, às vezes até melhor em qualidade do que uma pessoa mais jovem", ressalta a médica.

O que fica mais claro na menopausa, mas que também permeia todas as fases da vida sexual da mulher, é que a sexualidade feminina é, de fato, muito diversa e influenciada por fatores psicológicos, mais do que pelos hormônios em si. No entanto, estes podem ter, além da ligação direta e fisiológica com a sexualidade, interferência nos próprios fatores psicológicos.

"Eles podem atuar no cérebro, através de neurotransmissores, gerando, por exemplo, um quadro mais depressivo, especialmente na menopausa, alterações emocionais da TPM etc.", explica a ginecologista. Para dar conta de alterações como essas, ela recomenda terapia de
reposição hormonal, que "comprovadamente traz benefícios na qualidade de vida da paciente, do ponto de vista psicoemocional". Mas ressalta, para uma uma sexualidade forte no chamado “sexo frágil”: “O que precisa ser acentuado é que a sexualidade da mulher tem de ser vista como um todo”.
 

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Primeira Mulher Presidente

Brasil tem a primeira mulher presidente: Dilma Rousseff


 
Brasil tem a 1ª mulher presidente: Dilma Rousseff . O Brasil elegeu hoje, 31 de outubro de 2010, a primeira mulher presidente da República. Com 92% das urnas apuradas, Dilma Rousseff é considerada vitoriosa com 55,3% dos votos válidos. Seu adversário do PSDB, José Serra, tem, até o momento, 44,6%.

Os brasileiros foram às urnas no domingo que antecede o feriado de 2 de Novembro com a convicção de que o projeto iniciado pelo governo Lula em 2003 será aprofundado e aprimorado por Dilma. Ainda hoje, a presidente eleita deve fazer um pronunciamento no hotel em Brasília onde acompanha a apuração dos votos com seus aliados.

O compromisso é fazer um governo de união. “Se eu for eleita, amanhã se inicia uma nova etapa na democracia brasileira. Tenho o compromisso democrático de governar para todos os brasileiros com a coligação que me trouxe até aqui", disse na última entrevista concedida como candidata, antes de votar, em Porto Alegre.

Aliados

Reunidos num hotel em Brasília para acompanhar a apuração dos votos, aliados da candidata
Dilma Rousseff traçaram o caminho que deve ser seguido pelo novo governo. Mais do que a continuidade, Dilma vai imprimir seu estilo no governo que vai aprimorar os programas sociais e garantir o crescimento econômico.

Segundo o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, Dilma vai cumprir a meta de erradicação da miséria e manter a integração entre crescimento econômico e inclusão social. “O governo Dilma vai ser um outro governo. Ela vai dar seu tom e estilo, e aprofundar o que governo Lula começou. O Brasil pode e tem que erradicar a miséria. E a integração entre crescimento e divisão da riqueza vai ser a marca do governo da presidenta
Dilma Rousseff”, acrescentou Temporão.

Na mesma linha, o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, não prevê um governo idêntico ao de Lula, mas aposta que
Dilma Rousseff vai continuar com a política de valorização do salário mínimo, por exemplo. “A Dilma vai manter a nossa política de valorização todos os anos do salário mínimo com aumentos acima da inflação. E, de certa forma, isso já está contemplado no Orçamento”, explicou.

Para o ministro, com Dilma na presidência da República, o Brasil vai continuar crescendo, com inflação sob controle, geração de emprego e investimentos em infraestrutura. “A continuidade significa manter os programas, a linha, mas vai sair um presidente e vai entrar outra. Com a caneta cheia para nomear quem quiser”, brincou Paulo Bernardo.

Na avaliação do ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, o país está pronto para seguir mudando. “Vamos deixar uma herança do bem. Um país ajustado, pronto para continuar crescendo e reduzindo a pobreza.”

Balanço


No balanço sobre a campanha eleitoral, o assessor especial da presidência, Marco Aurélio Garcia, lamentou a mobilização de “setores do submundo da política” que evitou uma discussão politizada. Segundo ele, a campanha foi exaustiva e Dilma deve tirar uns dias de descanso.

“O resultado revela que houve mais acertos que erros. Sempre que foi necessário, ela insistiu muito no projeto nacional de desenvolvimento, nas grandes políticas que foram as do governo Lula, que devem ganhar em qualidade neste governo”, disse Marco Aurélio Garcia. “O momento agora, como se diz em linguagem futebolística, é correr para o abraço.”


domingo, 24 de outubro de 2010

Só é feliz quem tem boa auto estima

Entrevista com Dr. Flávio Gikovate

Por Rose Delfino
 
Disciplina, ética e a certeza de que se está agindo de acordo com valores pessoais são atitudes essenciais para desenvolver o amor-próprio, diz o psicanalista

Flávio Gikovate

Adepto da terapia breve, o psicoterapeuta Flávio Gikovate atendeu pelo menos 7 mil pacientes em 37 anos de carreira. Além do trabalho em consultório, sempre difundiu a Psicologia participando de programas de televisão e escrevendo artigos e livros, 16 ao todo, entre os quais A Arte de Viver Bem e O Instinto do Amor. Casado, pai de três filhos já adultos, ele fala sobre a importância da auto-estima, que na sua opinião depende principalmente de se ter princípios e viver de acordo com esses valores éticos.

O que é auto-estima?
Gikovate É um juízo, um julgamento que eu faço a meu respeito. É quando acho que sou uma pessoal legal, quando estou satisfeito com a minha conduta. A auto-estima ficará em baixa se eu agir em desacordo com os meus próprios valores.
O senhor pode dar um exemplo?
Gikovate Se eu me propuser, por exemplo, a parar de fumar e não parar, isso baixa minha auto-estima. Se decidir fazer ginástica todos os dias e honrar o que combinei comigo mesmo, isso me deixa com boa auto-estima. Quando minha razão se opõe às vontades e a disciplina ganha, minha auto-estima cresce.
A auto-estima não tem nada a ver com beleza, vaidade, espelho...
Gikovate Nem com se embelezar nem com cirurgia plástica. Uma mulher pode ficar envaidecida por estar mais bonita, mas efeito de cirurgia plástica não melhora a auto-estima, porque a pessoa não se empenhou, não se sacrificou para ter aquilo, não é mérito dela. A auto-estima tem a ver com mérito próprio.
A opinião de outra pessoa sobre mim não influencia minha auto-estima?
Gikovate Se a opinião das pessoas a meu favor no trabalho, por exemplo, vierem de realizações que atribui a mim, embora tenham sido obtidas por assessores meus, vou me sentir envaidecido. Mas, como sei que a conquista não é minha, a auto-estima não será reforçada. Não existe mutreta nesse jogo interno.
Como os pais podem fazer com que os filhos tenham boa auto-estima?
Gikovate Não adianta aplaudir tudo o que o filho faz; isso é subestimar a inteligência dele. Elogiar sem que haja merecimento leva a criança a achar que tem algum problema e que precisa ser aplaudido mesmo quando não merece.
Mas os pais sempre influenciam.
Gikovate A família deve transmitir valores. Se a pessoa não tem nenhum sistema de valores, não tem auto-estima. É comum não seguir os valores, mas todo mundo sabe muito bem que ser honesto é um valor mais digno do que ser ladrão.
Quais são os valores fundamentais?
Gikovate Você executar as tarefas às quais se dispôs, ter disciplina, capacidade de se colocar no lugar do outro, ser justo nas trocas com as pessoas, não ser egoísta nem querer mais do que dá. Ser esforçado, comedido nas pretensões individuais, não ser exageradamente ambicioso nem preguiçoso. E aí depende da cultura – a nossa é ambígua, estimula mais a competitividade que a lealdade.
O senhor tem algum exemplo?
Gikovate Certa vez, Diego Maradona fez um gol com a mão em uma final de Copa e todo mundo achou o máximo. É um exemplo negativo. Ser rico, por exemplo, é valor na nossa cultura. Às vezes, nem importam os meios que a pessoa usou para chegar a essa condição. Os valores deveriam ser tratados de uma maneira mais clara pelas famílias que querem ter suas crianças felizes, porque quem tem boa auto-estima é feliz.
Como melhorar a auto-estima?
Gikovate Primeiro, construindo um sistema de valores, depois, agindo de acordo com esses valores e desenvolvendo a disciplina. É preciso que a razão vença as vontades, a preguiça, a gula, o vício, a agressividade. É o controle racional acionado sobre si mesmo que equilibra a auto-estima e está ligado à disciplina.
Como desenvolver a disciplina?
Gikovate A disciplina é o fruto de toda uma evolução. A pessoa deve fazer acordos possíveis consigo mesma e ter humildade de reconhecer que não está pronta para mudar. Nesse caso, é melhor se propor metas que possam ser atingidas.
Valores são importantes na educação...
Gikovate Os pais não educam com palavras, e sim com exemplos. A questão da disciplina é assim também. A criança vê que os pais são trabalhadores, levam a sério o respeito com o outro e com os compromissos assumidos, são pontuais. Tudo isso define um estilo de pensar.
E quem não aprendeu muitos valores?
Gikovate
  Quem cresce sem essa disciplina tem de tornar consciência e colocá-la como meta. Devagar, num longo e humilde processo de crescimento, sem se propor coisas demais, subindo degrau por degrau até chegar lá. Nada que é radical dá certo. O equilíbrio está no caminho do meio. E é preciso também dar tempo para que as coisas aconteçam.
“A baixa auto-estima torna as pessoas ciumentas e dominadoras, atitudes que associamos a quem nos parece mais egoísta. Elas gostam de botar banca, mostrar que estão ótimas, que se adoram e são superfelizes. Essas pessoas toleram mal as frustrações e as inevitáveis dores da vida.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Dormir bem é essencial para uma boa qualidade de vida.

Dormir bem

Dormir bem é essencial para uma boa qualidade de vida.
O sono é o período de repouso de que o organismo precisa para revigorar as energias para mais uma jornada. Se você não dorme bem o risco de engordar aumenta.

A privação de sono aumenta a produção do hormônio grelina, substância que tem o efeito oposto da leptina, ou seja, aumenta o apetite, principalmente por carboidratos. Mais fome e menos saciedade é igual a quilos extras. Outra consequência é que o diabetes pode evoluir.
Estudos mostram que dormir mal por apenas três noites é o suficiente para deflagrar sinais de resistência à insulina, condição que pode evoluir para diabetes.

Outro aspecto prejudicial de noites mal dormidas é que o envelhecimento acelera. Em alerta, o corpo fica em estado de estresse. Por isso, aumenta a produção de radicais livres, moléculas formadas naturalmente no organismo e que degradam as células.

Para ter bons sonhos comece há desacelerar uma hora antes de se deitar. Evite atividades barulhentas ou excitantes. Evite consumir substâncias estimulantes poucas horas antes de dormir, como chocolate, guaraná em pó e bebidas à base de cafeína. Bebidas alcoólicas prejudicam o sono. Apesar de provocar um relaxamento imediato, elas excitam e dificultam o sono.
Por Fernanda Lage

domingo, 3 de outubro de 2010

Cuide de seus Cabelos

Abandone os 8 hábitos que mais destroem o seu cabelo

Os pecados incluem o mau uso de produtos e até falta de cuidado ao pentear

Por Minha Vida / Yahoo

 Difícil encontrar uma mulher feliz com o próprio cabelo. Pontas duplas, raiz muito oleosa, fios quebradiços, corte com muito volume, caimento sem graça... a lista de reclamações é enorme e, não raro, nunca zera. Mas nada de ficar culpando a genética pela sua insatisfação.

Em geral, as clientes sabem como cuidar do cabelo. Mas, no dia-a-dia, atropelam todas as recomendações e depois sofrem com os efeitos do desleixo , afirma o cabeleireiro Paulo César Schettini, proprietário do Salão Self, em São Paulo, e especializado em cuidar da aparênciade celebridades como Maria Fernanda Candido , Karina Bacchi e muitas modelos que participam dos desfiles da SP Fashion Week.

A pedido do Minha Vida, ele e a gerente de P&D Hair Care da Bertin Higiene e Beleza, Luciene Bastos, revelam quais são os hábitos que mais destroem os fios e ensinam como você faz para se livrar deles até, finalmente, travar um acordo de paz com a escova.

1. Deixar condicionador no cabelo: principalmente quem pena com os fios secos, é tentada a cada banho. O cabelo fica macio e escorre pelo pente debaixo do chuveiro, e você sonha em manter aquela sensação pelo dia todo. Mas não pense que deixar o creme no cabelo é melhor maneira de conseguir isso. Os condicionadores abrem as escamas dos fios. Assim conseguem penetrar e tratá-los , afirma Paulo César. Mas deixar o produto depois do banho é péssimo, porque as escamas não se fecham, o cabelo fica elástico e acaba se quebrando à toa .

2. Usar máscara hidratante na praia: não adianta inventar. Para tomar sol, o ideal é passar um creme sem enxágüe com proteção solar. E nada mais. Muitas mulheres acham que, usando uma máscara mais poderosa, estão protegendo o cabelo , diz o cabeleireiro do Self. Na verdade, elas estão queimando os fios. Esses produtos, além de não formarem uma capa contra os raios ultravioletas, têm um tempo de permanência. Excedê-lo enfraquece os cabelos.

 3. Prender os fios molhados: fazer isso uma vez ou outra não tem problema nenhum. Mas achar que vai domar o volume dos fios dando um bom nó em volta deles é assinar um atestado de raiva permanente. Manter o couro cabeludo molhado por muito tempo faz juntar fungos e criar caspa, além de enfraquecer a raiz e provocar a queda , afirma Paulo. Usar um leave-in e evitar o vento enquanto a cabeça não seca são medidas suficientes para evitar o cabelo armado demais.

4. Passar chapinha no cabelo molhado: este é um daqueles pecados sem misericórdia nenhuma. A gravidade é tanta que dá para sentir os efeitos na mesma hora. Os fios são profundamente agredidos. Além de queimados, eles se quebram. O único jeito de consertar é cortando , alerta Paulo Schettini. Antes de usar a prancha, seque bem os cabelos. Nem úmidos eles podem estar.


5. Ficar mais de três meses sem cortar: para muita gente, isso é papo de cabeleireiro. Mas não é, fique certa. A não ser que seu cabelo demore muito para crescer, este é o tempo médio de duração de um corte. Passada essa fase, as pontas começam a abrir e os fios quebram-se com facilidade. Os arrepiados aumentam o volume e os fios fracos começam a cair , explica a gerente de P&D Hair Care.

6. Desembaraçar com escovas maleáveis demais
: as cerdas moles são de manuseio mais difícil, além de quebrarem os fios. Por isso, os especialistas recomendam um pente com dentes bem largos e firmes ou uma escova do tipo raquete, mais resistente.

7. Esquecer as hidratações: a
hidratação tema a capacidade de dar leveza e nutrir os cabelos, recuperando a maciez, o brilho e o aspecto saudável deles. Em função do grande uso dos produtos químicos (tinturas, alisamentos, relaxamento e etc.), os fios tendem a ficar danificados. A função da hidratação é de reverter tudo isso , afirma Luciene Bastos. Mesmo os fios oleosos merecem hidratações, feitas com produtos específicos.

8. Fazer mais de duas químicas
: você precisa escolher os tratamentos que quer aplicar. Relaxamento, coloração, progressiva, luzes... tudo isso junto deixa os fios porosos e fracos demais, arrebentando todas as pontas. Escolha dois tratamentos, no máximo, e faça hidratações mensais, no mínimo, indica Paulo. 

Um presente para você, meu amor...

  • Eu não existo sem você
Eu sei e você sabe, já que a vida quis assim
Que nada nesse mundo levará você de mim
Eu sei e você sabe que a distância não existe
Que todo grande amor
Só é bem grande se for triste
Por isso, meu amor
Não tenha medo de sofrer
Que todos os caminhos me encaminham pra você
Assim como o oceano
Só é belo com luar
Assim como a canção
Só tem razão se se cantar
Assim como uma nuvem
Só acontece se chover
Assim como o poeta
Só é grande se sofrer
Assim como viver
Sem ter amor não é viver
Não há você sem mim
E eu não existo sem você
 
- Livro de letras‎ - Página 40, de Vinícius de Moraes, José Castello - Publicado por Companhia das Letras, 1991,